Notícias

Professores de todo o mundo debatem a pandemia educacional

26/05/2020
Por  ANEC Comunicação

Após uma primeira reunião virtual convocada por Scholas em 8 de abril, na qual professores universitários de todo o mundo compartilharam como estavam realizando essa nova realidade educacional; Este segundo encontro virtual deu lugar a um debate mais profundo, no qual foram analisadas as controvérsias que surgiram em torno da educação durante o período COVID-19. Ir. Paulo, Diretor-Presidente da ANEC, participou, mais uma vez das reuniões. 

Entre os participantes da Cidade do Vaticano, Monsenhor Angelo Vincenzo Zani, Secretário-Geral do Dicastério da Educação Católica da Santa Sé, expressou em italiano: “Quero agradecer a Scholas por tudo o que ele faz, porque envolve todos os agentes, para pais, jovens, professores, é realmente um pacto educacional global.É uma experiência que responde às necessidades e problemas que a pandemia de coronavírus revelou. ” E acrescentou: “Essa pandemia causou outras pandemias: a pandemia social e a pandemia econômica … mas, acima de tudo, uma pandemia da qual se fala pouco: qual é a pandemia educacional, que é muito séria”. Ele explicou que, como diz o Papa Francisco, a educação requer mente, coração e mãos, e através da educação a distância, enfatizamos a mente, mas o coração e as mãos estão ausentes. Por fim, acrescentou: “o trabalho que estamos realizando em conjunto com Scholas é muito bonito, justamente para reconstruir o pacto educacional … Devemos trabalhar com uma educação de qualidade, comprometida com a cidadania, a paz, a solidariedade e o meio ambiente. meio Ambiente”. 

Nesse sentido, o acadêmico Lazare Rukundwa Sebitereko, da República Democrática do Congo, acrescentou que hoje devemos procurar outras formas alternativas de aprendizado: “Nossos sistemas educacionais confiam na tecnologia e na conexão à Internet como um privilégio para alguns. No entanto, poderíamos ver as formas tradicionais de aprendizado por experiência que funcionaram no passado de maneira mais inclusiva? ”

À qual o Secretário Nacional de Políticas Universitárias do Ministério da Educação da Argentina, Dr. Jaime Perczyk, refletiu sobre a importância de capitalizar o que foi aprendido: “Nosso desafio da educação é transformar o conhecimento em uma nova educação, tudo isso que estamos fazendo esses meses. Não é que voltemos à escola, ao modelo antigo que já apresentava problemas, no qual os mais pobres ficaram de fora … Estamos construindo uma ideia de que todos temos que estar lá dentro, que é possível conectar de outra maneira, […] colocando meninos e meninas no centro […] Quando voltamos à escola, temos que colocar isso em nossa capital acumulada, no que aprendemos […] no centro de tudo discussões científicas, filosóficas, acadêmicas, políticas e pedagógicas.

Em seguida, os participantes trabalharam em pequenos grupos em torno dos grandes dilemas e debates que surgiram recentemente e como construir um novo pacto educacional entre professores, alunos e família. 

O primeiro grupo investigou o problema da avaliação e acreditação da aprendizagem. Nesse sentido, eles discutiram a importância de “repensar o significado da educação, perguntando a nós mesmos que tipo de cidadãos queremos treinar, modificar processos de trabalho e diversificar a avaliação”. “No curto prazo, podemos relaxar priorizando aqueles que foram deixados para trás e, no médio prazo, construímos um sistema educacional que se concentra no senso de educação e na pessoa”, explicaram. 

O grupo dois analisou a controvérsia do financiamento da educação em tempos de pandemia, o dilema das cotas na ausência de aulas presenciais. Diante disso, os professores concordaram que todos estão preparados “por horas, dias e anos, com responsabilidade, com discernimento e conhecimentos diferentes”, para acompanhar o aprendizado, seja ao vivo ou online. Eles também explicaram a importância de se sentir apoiado e apoiado para continuar com sua tarefa.

Outro grupo explorou a desigualdade educacional e a desigualdade em tempos de pandemia. Diante disso, os participantes postularam que a crise já existia antes da chegada da pandemia e manifestaram seu desejo: “Queremos abraçar uma opção de educação dos excluídos que articule o conhecimento popular e acadêmico, centrado na pessoa e na família fortalecida, pensando globalmente ”.

Enquanto outro grupo de participantes discutiu o cuidado dos laços interpessoais entre professores e alunos, e entre estudantes entre si. Nesse sentido, os professores explicaram que essa situação evidenciou o papel do professor como guia e gestor de emoções na sala de aula. Do mesmo modo, explicaram que é necessário que, no processo educacional, seja educado novamente em emocionalidade e na construção de sentido em torno da vida, experiências e o mesmo ser. 

No encerramento , o Dr. Gonzalo Sánchez Terán, que dirige os Cursos de Educação em Emergências e Questões Estratégicas em Assistência Humanitária, do Mestrado em Ação Humanitária Internacional da Universidade Fordham, nos Estados Unidos; Ele explicou que isso não é uma crise de hoje, é uma crise de ontem, que alguns sofrem mais que outros. Ele enfatizou que mesmo antes do início da pandemia, havia 260 milhões de crianças (migrantes, refugiadas ou crianças deslocadas) sem poder ir à escola e voltar à normalidade é voltar ao drama. Ele também acrescentou: “Isso que estamos vivenciando hoje é uma semente extraordinária, nunca havia experimentado isso antes: pessoas interessadas em educação de todo o mundo juntas conversando sobre essas questões”.

Por fim, os co-fundadores da Scholas, juntamente com Jorge Bergoglio, José María del Corral e Enrique Palmeyro, agradeceram aos participantes por todas as universidades presentes pelo interesse e entusiasmo e pelo trabalho que os presidentes das Scholas vêm realizando durante esse período de pandemia; lembrando que Jorge Bergoglio já havia dito vinte anos antes que o pacto educacional estava quebrado e que, se quiséssemos mudar o mundo, deveríamos começar mudando a educação.

Para saber as conclusões da reunião, clique aqui.

Sobre Scholas Occurrentes

A Scholas Occurrentes é uma organização internacional de Direito Pontifício, presente em 190 países nos cinco continentes e que, por meio de sua rede, integra meio milhão de escolas e redes educacionais. Sua missão é conseguir a integração de todos os estudantes do mundo através de propostas tecnológicas, esportivas e artísticas que promovam a educação a partir da cultura do encontro.


www.scholasoccurrentes.org


Leituras relacionadas

Remodal